sexta-feira, maio 22, 2015

PELA NOITE, COM TERESA ALMEIDA GONÇALVES: "SEM ABRIGO"





SEM ABRIGO


Despertou-a a madrugada
e enrolada num cartão,
encontrou-a ainda deitada
na porta de uma escada,
sem casa nem colchão.

Estava magra, despenteada,
sem trabalho nem pão,
do que foi, humilhada.
Sem lhe darem a mão
sentiu o frio que vinha do chão.

À fome estava habituada.
Mas já sem viço nem vigor,
velha e desdentada,
sem família e sem amor,
não mais a acordaria a madrugada.



TERESA ALMEIDA GONÇALVES,
in Entre o Sono e o Sonho, Vol. VI
(Antologia de Poesia Contemporânea)





2 comentários:

Vitor. C disse...

Maravilhosa forma de enfeitar a vida, a deriva da miséria e o esquecimento humano sobre quem somos, em conjunto, sendo indivíduos apenas!
Parabéns à autora e a si, minha amiga!

M.H. R.M. disse...

Obrigada pelo comentário, e peço desculpa de só agora agradecer a sua atenção. Este assunto dos sem abrigo, além de comovente com as suas estórias de vidas, são uma consequência vergonhosa do abandono dos idosos entre nós e não só...Muito por todo o mundo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...