domingo, abril 10, 2011

MADRE TERESA DE CALCUTÁ (1910-1997) - A Mulher Que Amou a Deus e ao seu Próximo




 



Esperei por este tempo litúrgico da Quaresma para, com esta publicação, encerrar o ciclo das mensagens dedicadas a mulheres que na vida se notabilizaram, eventualmente por amarem em demasia. Dedicando-a a Madre Teresa de Calcutá, é sem dúvida a mensagem para mim mais difícil de escrever, porque os traços psicológicos e a alma de Madre Teresa são um dos segredos mais bem guardados.

Madre Teresa de Calcutá

É uma imagem que ficará para sempre na nossa memória. Teresa, de nome Agnes Gonxha Bojaxhiu, uma mulher baixa, vestida de sari branco com riscas azuis, olhar penetrante, a percorrer as ruas de Calcutá, a ajudar os pobres, leprosos, crianças, os mais necessitados. Esta freira foi a imagem viva do amor a Deus e aos outros.

Segundo uns, terá nascido em 19 de Agosto de 1910, em Skopie, cidade dos Balcãs, hoje capital da Macedónia, quando a região ainda fazia parte do Império Otomano. No entanto, segundo a própria Teresa, nasce a 27, porque foi essa a data do seu baptismo e aquela que, do seu ponto de vista, verdadeiramente contava. Filha mais nova de Nicolai Bojaxhiu, empresário, e de Dranafile Bernai, tinha origem veneziana.

Vivida numa casa espaçosa e confortável, a sua meninice foi muito marcada pela religião, cujas bases recebeu da mãe e também dos Jesuítas do Sagrado Coração, que viviam na sua paróquia. Aos oito anos ficou órfã de pai e viveu a dolorosa experiência das dificuldades económicas, que haveriam de marcar a sua vida futura. Passa então, com sua mãe, muitas horas em oração e faz da biblioteca paroquial, o seu refúgio. É nesta altura que desenvolve o gosto pela leitura.

Madre Teresa e o Papa João Paulo II

Aos doze anos sentiu o seu primeiro chamamento divino. Foi nessa altura que percebeu que queria ser missionária para poder espalhar a palavra de Cristo. Mas teve de esperar seis anos para poder dar forma a esse apelo de Deus, período de meditação aconselhado por um padre jesuíta da sua paróquia. Aos dezoito anos abandonou a casa materna, convicta, sem dúvidas do que iria ser o seu destino - o de que Deus a tinha escolhido para uma missão.

É assim que, a 26 de Setembro de 1926, na estação de caminhos de ferro que a levará a Zagreb, viu sua mãe pela última vez, quando da sua partida para o convento em Dublin. Daqui, passados dois intensos meses de prática do inglês, partiu rumo à Índia, para o convento de Nossa Senhora do Loreto, a norte de Calcutá. É aqui que inicia o seu noviciado, no ano de 1929. Dois anos mais tarde pronuncia os seus primeiros votos de pobreza , obediência e castidade, tomando o nome de Maria Teresa, numa clara homenagem a Santa Teresa de Lisieux, padroeira das missionárias.
Uma das muitas obras de Madre Teresa

Apesar de isolada no convento, Teresa preocupou-se com os acontecimentos que agitavam o mundo, nomeadamente a entrada do Japão na Segunda Guerra Mundial. Com a ocupação da vizinha Birmânia, a pressão sobre Calcutá não tardou e o consequente bombardeamento desta cidade teve lugar, em plena crise da fome de 1942-1943. O afluxo das famílias empobrecidas em Calcutá foi enorme, velhos, jovens e crianças viviam estendidos nas ruas sem terem onde se abrigar, numa miséria absoluta. Impressionada com tudo isto, Teresa fez a profissão perpétua a 24 de Maio de1937.
Presidente Ronald Reagan concede condecoração a
Madre Teresa

Em 1946, com a partida do colégio e a aquisição rápida de um curso de enfermagem, decidiu reformular a sua trajectória de vida. Dois anos depois e após muita insistência, o Papa Pio XII permitiu que abandonasse as suas funções enquanto monja, para iniciar uma nova congregação de caridade, com o objectivo de ensinar as crianças pobres a ler. Assim nasceu a sua Ordem - As Missionárias da Caridade. Como hábito, escolheu o sári, nas cores branco, por significar pureza, e azul, por ser a cor da Virgem Maria. Como  pricípios adoptou o abandono de todos os bens materiais. O espólio de cada irmã resumia-se a um prato de esmalte, um jogo de roupa interior, um par de sandálias, um pedaço de sabão, uma almofada e um colchão, um par de lençois e um balde metálico com o respectivo número.

Princesa Diana de Gales saúda a amiga
Madre Teresa

Começou a sua actividade reunindo algumas crianças, a quem começou a ensinar o alfabeto e as regras da higiene. A sua tarefa diária centrava-se na angariação de donativos e na difusão da palavra de alento e de confiança em Deus.

Em Dezembro de 1948 foi-lhe concedida a nacionalidade indiana e dois anos depois empenhou-se em assistir os doentes com lepra. Em 1965 o Papa Paulo VI colocou sob o controle do papado a sua congregação e deu ordem para a sua expansão a outros países. Centros de apoio a leprosos, velhos, cegos e doentes com HIV surgiram em várias cidades do mundo, bem como escolas, orfanatos e trabalhos de reabilitação de presidiários.

O reconhecimento do mundo pelo seu trabalho concretizou-se com o Templeton Prize, em 1973 e com o Nobel da Paz, no dia 17 de Outubro de 1970. No discurso de aceitação deste prémio, esta mulher de aspecto humilde, com mãos de dedos retorcidos e pés deformados calçados com sandálias grosseiras, disse: " Acho que na nossa família não precisamos de bombas e armas para destruir e trazer a paz, basta juntarmo-nos, amarmo-nos uns aos outros, conseguir essa paz, essa alegria, essa força de presença uns dos outros em casa. E vamos ser capazes de ultrapassar todo o mal que há no mundo".

Presidente de Itália, Sandro Pertini,
recebe Madre Teresa

Madre Teresa conseguiu convencer o Comité Nobel a prescindir do banquete de celebração, e a oferecer o dinheiro àqueles que tinham verdadeiramente fome. O gesto teve repercussões mundiais, com adultos e crianças da Noruega, Suécia e outros países europeus a oferecerem-lhe o dinheiro do seu bolso. Assim, Madre Teresa conseguiu reunir, para os seus carenciados, um donativo de cerca de 430 mil euros...

Madre Teresa lidou com toda a espécie de realidades. Uma das mais frequentes era o aborto. A monja  era uma acérrima opositora da interrupção da gravidez. Condenou-a fortemente em diversas ocasiões, sobretudo nos EUA e na Europa. No discurso de aceitação do Nobel, em Oslo, disse mesmo que "o grande destruidor da paz não era a guerra, mas o aborto".

Morreu em 1967, aos 87 anos, de ataque cardíaco, quando preparava um serviço religioso em memória da Princesa Diana de Gales, sua grande amiga e falecida ela própria 6 dias antes, num acidente de automóvel em Paris. Tratado como um funeral de Estado, vários foram os representantes do mundo que quiseram estar presentes para prestar a sua última homenagem. As televisões do mundo inteiro transmitiram ao vivo durante uma semana, os milhões que queriam vê-la no estádio Netadji.

Casa memorial de Madre Teresa na Macedónia,
onde repousam os seus restos mortais

O seu trabalho missionário continua através da irmã Nirmala, eleita no dia 13 de Março de 1997 como sua sucessora. Madre Teresa foi beatificada em 19 de Outubro de 2003, atingindo assim o terceiro degrau, dos quatro que levam à santificação. A sua beatificação deve-se à ocorrência de um milagre ocorrido com Monica Besra, uma indiana que foi curada de um tumor no estômago de forma inexplicável e cuja cura foi atribuída a Madre Teresa. Segue-se o processo de canonização. Pela primeira vez na história da Igreja o Papa João Paulo II concedeu uma dispensa especial e, dois anos decorridos após a sua morte, a Igreja deu início ao seu processo de beatificação, sem esperar pelo prazo de cinco anos, que a lei canónica impõe.


Arcebispo de Calcutá presta homenagem a Madre Teresa,
no 12.º aniversário da sua morte

Madre Teresa, nas suas cartas dirigidas a alguns conselheiros espirituais e compiladas no livro "Madre Teresa venha, seja minha luz", publicado em Setembro de 2007, descreveu como sentia falta de respostas de Deus.

Nelas afirmou chegar a amar a escuridão e a dor de Jesus neste mundo:

"Hoje senti uma grande alegria - que Jesus já não pode passar pela agonia - mas que quer passar por mim...Abandono-me a Ele mais do que nunca... mais do que nunca estarei à sua disposição...!"










9 comentários:

João disse...

Parabéns pelo seu maravilhoso blog. Está fantástico.
Cumprimentos

Maria Haydée Nogueira disse...

Embora não merecido, sabe sempre bem um comentário tão gentil como este!
Obrigada a João.

Claudia disse...

Maravilhoso post, bem detalhado e informativo. Madre Teresa foi um exemplo mesmo.
Um grande abraço aqui do Brasil!

Maria Haydée Nogueira disse...

Obrigada, Claudia.
Cá aguardamos pelos Il Divo...
Irei espreitar as notícias ao seu blog.
Bjs

Maria Haydée Nogueira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
peonia disse...

Bom gosto, sensibilidade e informação: qualidades de um Blog que continua a encantar-me.
Belo tema para reflexão em tempo de Quaresma. Madre Teresa construíu uma obra ao serviço dos mais infelizes, cujo número vai em crescendo por este mundo...
Bjs

Deilson Lucas disse...

Q madre Teresa me faça ter o mesmo amor pelos pobres e pelos uns au outros como ela teve q ela sempre esteja com nós amo a ti madre teresa amém.

Deilson Lucas disse...

Madre Teresa foi mais do q mãe para todos q ela sem esteja com todos e q ela me ensina amar como ela amava o próximo. amém

Deilson Lucas disse...

Q madre Teresa me faça ter o mesmo amor pelos pobres e pelos uns au outros como ela teve q ela sempre esteja com nós amo a ti madre teresa amém.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...